Atualmente o Brasil conta com mais de duzentos e oitenta mil cirurgiões dentistas, divididos em 22 especialidades odontológicas. Há no país 220 faculdades de Odontologia e cerca de 35 mil entidades prestadoras de assistência na área. Apesar de formarem um contingente expressivo, os profissionais especializados no atendimento bucal ainda buscam por reconhecimento. “Uma das principais demandas da classe é a valorização da saúde bucal”, salienta Juliano do Vale (CROTO 539), presidente do Conselho Federal de Odontologia.

Claudio Miyake (CROSP 37416), presidente do Conselho Regional de Odontologia de São Paulo (CROSP), também salienta a importância do reconhecimento da classe, e acrescenta: “Precisamos aumentar o acesso da população brasileira ao tratamento odontológico e às ações de prevenção em saúde bucal. Pode parecer assustador, mas o fato é que 16 milhões de brasileiros já perderam todos os dentes. Eles correspondem a 11% da nossa população. O número é do IBGE e demonstra que precisamos avançar na atenção à saúde bucal em todo o território nacional”, frisa Miyake.

O presidente do CROSP também faz um alerta para o desequilíbrio entre o número de dentistas e o estado atual da saúde bucal da população brasileira. “O ‘Atlas Global da Odontologia’, publicado em 2009, mostrou que o Brasil possui cerca de 19% dos cirurgiões-dentistas do mundo. Ainda assim, o acesso da população está longe do ideal. Tal contradição ocorre porque a maior parcela do atendimento se dá nos consultórios e clínicas particulares. Precisamos equilibrar essa conta. E isso passa, necessariamente, pela ampliação do serviço público na área”, salienta Miyake.

“Infelizmente ainda há uma cultura que quer colocar a odontologia em um plano secundário. O paciente às vezes não compreende que uma boa saúde bucal colabora para a saúde como um todo”, explica o presidente do Conselho Federal de Odontologia.

Apesar das dificuldades, trata-se de uma profissão gratificante. “O cirurgião-dentista atua não apenas no tratamento e no alívio da dor, mas na preservação da dignidade e da autoestima dos pacientes. Também atuamos na prevenção de doenças e podemos salvar vidas. Cerca de 5 mil pessoas morrem todos os anos no Brasil em razão do câncer bucal. Mas incontáveis vidas são preservadas graças ao trabalho dos profissionais que fazem o diagnóstico e encaminham os tratamentos. Tudo isso é extremamente satisfatório. Eu sou cirurgião-dentista e tenho muito orgulho de minha profissão”, declara Miyake.

De acordo com o presidente do Conselho Federal de Odontologia, restabelecer ou melhorar o sorriso de um paciente é extremamente satisfatório. “Em muitos casos, é possível melhorar a autoestima, de modo que ele passe a valorizar mais a  própria vida. Muitas vezes as pessoas saem do consultório com a sensação de renovação. Poder proporcionar essas transformações no pacientes é muito gratificante”, finaliza.

Via: MSN